foi adicionado ao carrinho com sucesso.

As religiões e os animais

cao de asas

No dia 21 de janeiro é comemorado o dia mundial da religião, uma oportunidade para se refletir sobre o preconceito e a intolerância religiosa.

Você sabe como a religião ou a crença que você segue lida com a vida animal?

Qual a ligação das religiões com os pets?

Listamos abaixo algumas crenças e o vínculo que elas têm os bichos.

gato e cao anjos

Catolicismo

Os animais de estimação vão para o céu? Em 2014 o Papa Francisco II teria dito: “O paraíso está aberto a todas as criaturas do Senhor”, gerando polêmica entre religiosos católicos conservadores.

Essa frase foi atribuída ao Santo Padre por um jornal americano, que confundiu duas histórias. Quem disse a frase acima foi Papa Paulo VI, quando consolava um menino que havia perdido seu cachorro. O que aconteceu foi que em uma audiência no Vaticano, Papa Francisco usou uma frase que “lembrava” a de Paulo VI. Um jornal italiano misturou as duas histórias e a confusão estava armada. Vários meios de comunicação divulgaram a notícia, que se espalhou pelo mundo. Apesar da igreja católica ter afirmado que os animais não tem alma e não vão para o céu, é bom lembrar que foi ela que levantou a voz para proteção dos animais. São Francisco de Assis, um dos santos mais populares do catolicismo e conhecido como santo protetor dos animais, pregava que os bichos não são coisas, objetos nem serviçais, mas sim companheiros dos humanos, e devem ser respeitados, assim como toda a natureza. Amém!

Judaísmo

Os judeus têm um longo histórico de oposição a atividades como caça “esportiva”, rinhas de galo e de cães. O Talmude, livro das leis judaicas, diz que qualquer pessoa que assista a tais eventos é responsável por esse derramamento de sangue. Essas mesmas leis dizem que os animais devem ser alimentados antes que os humanos tenham feito as refeições; também não é permitido comprar ou adotar um animal se não houver condições de prover os cuidados necessários a ele. O Rabino Joshua Hammerman explica: “A Torá, livro sagrado do judaísmo, nos instrui a cuidar do animal de nosso inimigo. Com base nessa lei, os rabinos estabeleceram o conceito de ‘tza’ar ba’ale hayyim’, pedindo-nos que minimizemos o sofrimento de todas as criaturas vivas, literalmente pedindo para ‘sentirmos sua’ dor.” Os pets estão protegidos até no Shabat, dia de descanso judaico em que é proibido colocar qualquer culpa nos animais. Portanto, se estiver faltando um pãozinho na mesa, não pode dizer que a culpa é do Totó…

Hinduismo

O Hinduísmo é a religião predominante na Índia e cultua um grande número de deuses e deusas. Lá, a vaca é um animal sagrado. Para os seguidores dessa fé os animais têm alma e evoluem para o plano humano durante a reencarnação. A reverência ao mamífero se dá por ser associado a figura do Shiva, um dos deuses mais populares do país. Elas não podem ser abatidas, andam livremente pelas ruas e têm hospitais próprios. A maior parte da população é vegetariana, isso mostra que eles levam a sério a tradição. Uma vez por ano, as vacas são homenageadas em Gopastami, onde são lavadas, decoradas e exibidas no templo, para que os dons da sua vida continuem a ser transmitidos aos homens.

Espiritismo

Para o Espiritismo, os animais são seres em evolução, e como tal, devem ser tratados com responsabilidade e dignidade. O autor e pesquisador sobre espiritismo, Paulo Henrique Figueiredo, vê com benevolência a relação com os bichos. “É importante ensinar as crianças a cuidar bem dos animais, dar a eles carinho e proteção. Já os adultos precisam refletir sobre o estado de crueldade e escravidão a que estão submetendo os animais destinados ao consumo humano, como bois, porcos e galinhas. Nas granjas, os animais são tratados como coisas sem alma, da mesma forma que os escravos eram considerados na idade média. A escravidão humana está quase extinta e um dia a humanidade terá consciência suficiente para libertar também os animais”, explica Figueiredo. Para o escritor, os bichinhos têm alma, assim como nós. “Há dezenas de milhares de anos os cachorros vigiavam as comunidades humanas durante a noite e, em troca, recebiam alimentos e companhia. Além disso, os animais possuem uma alma que tem a mesma origem da alma humana. Por isso, a afeição que sentimos por eles é natural e benéfica ao relacionamento familiar”.

Igreja Adventista do Sétimo Dia

Para os Adventistas é importante lutar pela preservação da vida animal. Levando em conta citações bíblicas, como a de Apocalipse 11:18, se encontra uma importante mensagem para quem maltrata os animais: “terá que prestar contas a Deus no dia do juízo final”. Leandro Quadros, consultor bíblico da Rede Novo Tempo de Comunicação explica: “O fato de Deus ter criado os animais no quinto dia da criação e o ser humano no sexto, demonstra que o reino animal fazia parte do preparo do planeta para receber a “coroa da criação de Deus”: homem e mulher. A felicidade humana também estava no contato com a natureza animal. Além disso, estudos científicos provam que a Bíblia está com a razão. Pessoas que têm algum bichinho de estimação possuem menos possibilidades de ter algum problema de coração”, finaliza Leandro.

Cristianismo

O Cristiano, assim como outras religiões, não acredita que os animais tenham alma, ou sejam a imagem e semelhança de Deus como os seres humanos. O presbítero André Sanchez explica: “Os animais seguem seus instintos, dados por Deus quando foram criados. Por isso temos animais selvagens, animais domesticados e outras espécies, com características típicas de cada grupo. O instinto é o fôlego da vida do animal”.

Ele completa, “por outro lado, existe emoção e inteligência dentro do ser de cada animal”. E exemplifica: ‘O boi conhece o seu possuidor, e o jumento, o dono da sua manjedoura…’ (Isaías 1:3). “Como um boi ou um jumento poderiam ‘conhecer’ o seu dono se não existisse algo dentro dele que o possibilitasse interagir dessa forma como os seres humanos?”.          Mas André continua acreditando que os animais não têm alma. “O mais provável é que dentro do instinto dos animais, especialmente em espécies de animais domésticos, exista uma capacidade que permite que eles interajam com o mundo a sua volta, especialmente com os seres humanos”, avalia.

Bençãos e passes

Algumas doutrinas religiosas e seitas abrem suas portas para a busca do bem-estar físico e espiritual dos bichinhos.

A Associação Espírita Amigos dos Animais promove em São Paulo dois encontros semanais voltados aos nossos amigões. “Temos relatos de curas de pets em estado grave ou em que o veterinário havia dado o animal como desenganado”, afirma Silvia Nogueira, diretora da Asseama, instituição que se diz pioneira nesse tipo de atendimento.

No templo de umbanda Caridade É Amor, também em São Paulo, acontecem reuniões mensais com o objetivo de dar passes espirituais nos bichinhos. A médium Juliana da Costa Venezi enfatiza que faz parte de uma linha da religião africana que não aceita o sacrifício de animais. “Há quem confunda, mas na umbanda pura e correta não há sacrifício de nenhum ser. Os animais são respeitados como espíritos de luz em evolução.”
Os médiuns são todos vegetarianos e pedem abstinência de carne e bebidas alcoólicas no dia do encontro. Os donos dos animais são entrevistados, assistem a uma palestra e depois seguem para o local do passe.

E em 4 de outubro, dia de São Francisco de Assis, padroeiro dos animais, várias igrejas espalhadas pelo país comemoraram a data abençoando pets e outras criaturas da fauna. Para o padre Edinez Paulo da Silva, da paróquia Nossa Senhora Aparecida, em Taboão da Serra, ainda é cedo para afirmar que há mais espaço para os bichos nos rituais religiosos. Por outro lado, ele constata que a procura por ajuda espiritual é mais uma prova de como os homens estão cada vez mais apegados aos pets.
O segurança Carlos Augusto Coelho, devoto de são Francisco conta que herdou a prática do avô, que levava os cavalos para serem abençoados pelo padre. “São diversas as datas em que eu cuido da minha alma, buscando força para as dificuldades”, diz. “É justo que eu reserve um dia no ano para o meu melhor amigo.” O companheiro, nesse caso, é Nestor, um gato encontrado na rua.

 

FONTES:

Terra https://www.terra.com.br/

Amigo Não se Compra https://www.amigonaosecompra.com.br/

Esboçando Idéias https://www.esbocandoideias.com/

Anda https://www.anda.jor.br/

Asseama https://asseama.org.br/

Portal São Francisco http://www.portalsaofrancisco.com.br/

Bol https://www.bol.uol.com.br/

Comments

comments